segunda-feira, 21 de novembro de 2011

Série Ferramentas de Comunicação Biologia Ecomica e Sanitária: Formigas

Por: Dayane Storrer e KArin Machado

1. Folder

2. Cartilha



video
3. Documentário


Série Ferramentas de Comunicação Biologia Econômica e Sanitária: Pombos

Por: Lenon Oliveira e Natalia Artigas

1. Folder


2. Cartilha




3. Documentário

quinta-feira, 17 de novembro de 2011

ARTs PARA A COLETA CIENTÍFICA DE MATERIAL BIOLÓGICO

POSICIONAMENTO DAS SOCIEDADES CIENTÍFICAS ABAIXO ASSINADAS, SOBRE A EXIGÊNCIA DE ANOTAÇÕES DE RESPONSABILIDADE TÉCNICA (ARTs) PARA A COLETA CIENTÍFICA DE MATERIAL BIOLÓGICO

As Sociedades Científicas (Sociedade Brasileira de Zoologia, Sociedade Brasileira de Ornitologia, Sociedade Brasileira de Mastozoologia, Sociedade Brasileira para o Estudo de Quirópteros, Sociedade Brasileira de Ictiologia, Sociedade Brasileira de Herpetologia, Sociedade Brasileira de Primatologia), vem a público se manifestar contra a exigência por parte do Conselho Federal de Biologia (CFBio) de Anotações de Responsabilidade Técnica (ARTs) para a coleta científica de material biológico, conforme recomendado pelo Grupo de Trabalho de fauna (GT-fauna) do referido conselho em uma recente minuta.

Primeiramente, entendemos que, os órgãos ambientais estaduais e federais já exercem controle suficiente sobre a atividade de coleta científica de material biológico em território nacional, uma vez que a obtenção de licenças para esse fim já obedece a um rigoroso escrutínio da capacidade e formação técnica daqueles que pretendem exercer a atividade conforme previsto em lei (ver, por exemplo, as instruções normativas nos. 154/2007 e 160/2007 do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis – IBAMA, disponíveis em http://www4.icmbio.gov.br/sisbio/index.php?id_menu=210).

Segundo, a exigência de ARTs para a coleta científica é análoga à exigência do mesmo documento para a prática de qualquer outra metodologia científica por parte de biólogos em atividades de pesquisa básica (como, por exemplo, a manipulação genética in vitro), o que constitui, do ponto de vista lógico, um verdadeiro absurdo ao burocratizar, de modo incomparável ao que ocorre em qualquer outro país com produção científica relevante em Biologia, o acesso de biólogos a metodologias de pesquisa consagradas, como é o caso da coleta científica de material biológico. O CFBio, nesse sentido, deve atentar para os possíveis impactos negativos da burocratização excessiva de suas normativas sobre a pesquisa básica exercida pelos seus afiliados, não criando um número cumulativo de exigências redundantes em relação à outras já existentes.

Terceiro, por se tratar de uma metodologia científica, o seu processo de aprendizado necessariamente envolve a participação de alunos de graduação, sem filiação a qualquer conselho profissional. Portanto, a exigência de ARTs para a coleta científica, a princípio, terá um efeito nefasto no processo de formação e qualificação de biólogos no estudo da biodiversidade brasileira. Não menos importante, vale a pena lembrar que a coleta científica de material biológico também é realizada por outros profissionais não biólogos (por exemplo, agrônomos, engenheiros florestais e veterinários), que também teriam dificuldades para se normatizar junto a um conselho de classe que não é seu de origem, ou, alternativamente, poderiam continuar a trabalhar sem o ônus da burocratização excessiva que passará a pesar somente sobre os biólogos.

Quarto, entendemos que os custos associados à ARTs para a coleta científica tornariam a atividade inviável economicamente em diversos contextos, onerando ainda mais projetos e mesmo o ensino de pesquisa básica em Biologia, com efeitos devastadores sobre a pesquisa em biodiversidade no Brasil. Ademais, é notória a morosidade com a qual as ARTs são emitidas em muitos dos Conselhos Regionais de Biologia (CRBios) do Brasil, o que teria também o verdadeiro efeito de obstruir o uso pleno da coleta científica por biólogos em suas atividades profissionais.

Quinto, as ARTs têm a sua justificativa apenas em atividades de seus afiliados que envolvam responsabilidade cível e criminal em relação à segurança e à saúde da pessoa física, análogo ao que ocorre em outros conselhos de classe (por exemplo, arquitetura, engenharia e agronomia). Portanto, atividades de coleta científica, são passíveis de tutela por uma ART em projetos ligados, por exemplo, ao licenciamento ambiental de empreendimentos (como já acontece), mas nunca em atividades de pesquisa básica, na qual o que se busca é um aprimoramento do conhecimento já existente, sem qualquer implicação ou responsabilidade cível e criminal à pessoa física. Cabe ressaltar, entretanto, que mesmo em projetos ligados a atividades de licenciamento, a exigência de ARTs específica para as coletas parece redundante, na medida que para esses processos já são emitidas hoje ARTs, que deveriam levar em conta a metodologia do referido processo.

Por fim, concluímos essa nota com uma manifestação geral de repúdio total e irrestrito à exigência por parte do CFBio de ARTs para a coleta científica em projetos de pesquisa básica, por entender que essa normatização representaria um verdadeiro “golpe de misericórdia” no uso desta metodologia ao burocratizar, onerar e obstruir a sua prática por biólogos, contribuindo de modo decisivo para a estagnação do estudo da biodiversidade brasileira.

Associações signatárias:

Sociedade Brasileira de Zoologia

Prof. Dr. Rodney Ramiro Cavichioli – Presidente

Sociedade Brasileira de Ornitologia

Profa. Dra. Cristina Yumi Miyaki – Presidente

Sociedade Brasileira de Mastozoologia

Dr. Paulo D'Andrea - Presidente

Sociedade Brasileira de Ictiologia

Prof. Dr. Claudio Oliveira - Presidente

Sociedade Brasileira de Estudos de Quirópteros

Prof. Dr. Ricardo Moratelli Mendonca da Rocha - Presidente

Sociedade Brasileira de Primatologia

Prof. Dr. Fernando de Camargo Passos - Presidente

Sociedade Brasileira de Herpetologia

Prof. Dr. Marcio Martins – Presidente

Instituições signatárias:

Instituto de Biociências da Universidade de São Paulo

Prof. Dr. Carlos Eduardo Falavigna da Rocha

Museu de Zoologia da Universidade de São Paulo

Prof. Dr. Hussam Zaher

Série Ferramentas de Comunicação Biologia Econômica e Sanitária: Espécies Exóticas Invasoras

Por: Aline Savi e Henrique Zeni

1. Folder


2. Cartilha
Cartilha
View more documents from nephilla.


3. Documentário


quarta-feira, 16 de novembro de 2011

Série Ferramentas de Comunicação Biologia Econômica e Sanitária: Bem-Estar Animal

Por: Janaíne Rocha e Michele Borges

1. Folder

2. Cartilha
video

3. Documentário


domingo, 13 de novembro de 2011

Série Ferramentas de Comunicação Biologia Econômica e Sanitária: Bem-Estar Animal

Por: Andréa E. Cruz e Ludimila M. Souza


1. Folder



2. Cartilha


video

3. Documentário


segunda-feira, 7 de novembro de 2011

Série Ferramentas de Comunicação - Biologia Econômica e Sanitária

Pragas Urbanas:
Ratos

Por Ana Lucia da Costa e Juliana Zacarkin

1. Folder




2. Cartilha




1. Documentário











domingo, 6 de novembro de 2011

Série Ferramentas de Comunicação - Biologia Econômica e Sanitária
Pragas agrícolas x Agrotóxicos

Por Gerson J Faria e Tiago Caglian

1. Folder





















2. Cartilha

















quinta-feira, 20 de outubro de 2011

Invertebrados como Indicadores Biológicos

Série Ensaios: Doutorando Fernando Willyan Trevisan Leivas


Naturalmente ao longo da história evolutiva da terra mudanças ambientais são comuns, no entanto, historicamente o homem tem causado alterações ambientais intensas ou mesmo acelerado processos de transformações naturais. Dentre as distintas áreas da Biologia da Conservação, está o uso de organismos sensíveis aos efeitos da perturbação ambiental que, de certa forma, possam revelar informações relevantes para a conservação da biota. A fim de avaliar a saúde da biota ou integridade ecológica da paisagem é utilizada a possibilidade da seleção de táxons (espécies ou grupo de espécies) que possam representar outros membros do sistema. Esses representantes são denominados como indicadores biológicos ou bioindicadores e as respostas obtidas por meio estes grupos, idealmente, podem extrapoladas para o resto de sistema. Como cada organismo pode variar de maneira distinta as perturbações ambientais (de acordo com o tipo, intensidade e persistência do impacto) os indicadores biológicos podem ser divididos em: indicadores ambientais (indicam o estado biótico ou abiótico de um ambiente), indicadores ecológicos (representam o impacto da mudança ambiental em um hábitat, comunidade ou ecossistema) e indicadores de biodiversidade (indicam a diversidade de um subconjunto taxonômico, ou de toda a diversidade, dentro de uma área). Para o uso efetivo de um organismo como bioindicador não basta apenas que o mesmo responda perante as perturbações ambientais. Requisitos como diversidade conveniente, taxonomia bem resolvida, informações sobre história natural, ciclo de vida curto, fidelidade de hábitat, sedentarismo relativo e pouco uso humano são, entre outros fatores, requeridos para que o táxon possa ser utilizado com bioindicador. Neste contexto, os invertebrados podem ser efetivos como bioindicadores. Em geral eles apresentam respostas demográficas e dispersivas mais rápidas do que grande parte dos vertebrados e plantas, e podem ser amostrados em maior quantidade e em escalas mais refinadas do que os organismos maiores. Os dados gerados podem avaliar diferenças entre habitas ou fisionomias (saúde do hábitat em meio aquático ou terrestre), quanto a intensidade de impacto no ambiente, a qualidade da prática de manejo (na recuperação de áreas degradadas ou em áreas agrícolas) ou ainda os efeitos da fragmentação no sistema. O grupo de invertebrados mais utilizados como indicadores biológicos são os artrópodes, particularmente os insetos. Na avaliação de ambientes em meio aquático, os macroinvertebrados podem ser divididos quanto a sua tolerância frente as alterações ambientais. Os táxons sensíveis ou intolerantes se referem aqueles que necessitam de elevadas concentrações de oxigênio dissolvido na água para que ocorram no ambiente (principalmente os Ephemeroptera, Trichoptera e Plecoptera). Os organismos tolerantes são aqueles que permanecem no sistema por apresentarem certa resistência às alterações no ambiente (alguns moluscos, Diptera, Heteroptera e Coleoptera aquáticos e Odonata). No grupo dos invertebrados resistentes podemos citar as larvas algumas espécies de Diptera (Chironomidae) e Oligochaeta (minhocas aquáticas). Os invertebrados terrestres são importantes no monitoramente de sistemas agrícolas, são excelentes indicadores de estruturação da biota em áreas fragmentadas ou em distintos estágios de recuperação, e também podem gerar informações sobre o equilíbrio do ecossistema em áreas com pouca intervenção humana. Entre os invertebrados terrestres mais utilizados como bioindicadores estão as borboletas (principalmente as frugívoras), os besouros (Carabidae, Scarabaeidae e Staphylinidae) e as formigas (cortadeiras e legionárias). Ainda existem muitas barreiras para o uso de invertebrados como indicadores biológicos, principalmente em áreas tropicais pela carência no conhecimento da biodiversidade. Outros impedimentos como o uso de métodos de amostragem não apropriados ao grupo foco, falta de robustez na análise dos dados, ausência de informações sobre os recursos ecológicos dos táxons, e pouca correlação entre os padrões observados com os requisitos ecológicos dos táxons fazem com que o estudo de invertebrados como indicadores biológicos ainda seja embrionário em regiões tropicais. Apesar do conhecimento pré-existente sobre possíveis táxons bioindicadores, deve-se levar em consideração que as espécies possuem distribuição heterogenia e resposta distintas ao longo do globo terrestre. Uma avaliação particular comparando resultados com os de uma área “controle” (mesma formação vegetacional, porém com vegetação primária ou com grau de preservação melhor que da área de estudo) pode levar a uma interpretação robusta de qual táxon está respondendo de maneira mais informativa as alterações sofridas no ambiente.

Para saber mais:

Brown, K. S. Jr. 1997. Diversity, disturbance, and sustainable use of Neotropical forests: insects as indicators for conservation monitoring. Journal of Insect Conservation, n. 1, pp. 25–42.

Freitas, A. V. R. B.; Francini & Brown, K. S. Jr. 2003. Insetos como indicadores ambientais. In: Cullen Jr.; Rudra, R. & Valladares-Pádua, C. (orgs.). Métodos de estudos em biologia da conservação e manejo da vida silvestre. Editora da UFPR, Fundação O Boticario de Proteção à Natureza, p. 125–151.

Freitas, A. V. L.; Leal, I. R.; Uehara-Prado, M. & Iannuzzi, L. 2006. Insetos como indicadores de conservação da paisagem. In: Rocha, C. F. D.; Bergalo, H. de G.; Sluys, M. V. & Alves, M. A. dos S. (eds). Biologia da Conservação: Essências. Editora Rima. São Carlos, Brasil, p. 357384.

Lewinsohn, Thomas M.; Freitas, A. V. L.; Prado, P. I. 2005 Conservação de invertebrados terrestres e seus habitats no Brasil. Megadiversidade, v. 1, n. 1, p. 6269.